2007/04/19

A nossa colaboradora responde


Como posso saber se estou pronta para o sexo?


Felisberta, 23 anos, Chaves



MJNP-Pergunte ao seu companheiro. Ele saberá quando é a altura certa.

No que respeita ao amor e ao sexo, os homens são muito mais responsáveis, uma vez que não se deixam confundir emocionalmente.É um facto cientificamente provado.


F.R

11 comentários:

José S., Engenheiro disse...

Está cientificamente provado que um broche feito por uma vítima de trombose pode provocar esporradela turbulenta...

Elsa, Almeida disse...

Vcs são mesmo engraçados quando querem!!! Jokas

PJM, Cruz de Pau disse...

Tem uma cona como eu nunca vi...

FR/PD disse...

Elsa, minha querida, quero já meu amor.

Ricardo, Venda Nova, 20 cm disse...

Elsa, responde-me a mim que sou dentista! 915****** Espero que não venha sensurado.

A.H. disse...

Que putedo!

Elsa, Almeida disse...

Sou toda Voça! ealm@gmail.com

elsa,almeida disse...

amanha à noite no Pavilhão Chinês às 23 horas.
ps. levem latex e serei vossa!

José.S. Engenheiro disse...

PD/FR por favor ensinem os V. leitores a escrever sem erros.
"sensurado"
"voça"
mas o que é isto?
ERRATA já a seguir:
onde se lê "sensurado", leia-secensurado; onde se lê "voça" leia-se vossa.

Ricardo, Venda Nova, 20 cm disse...

Vale a pena manter-se à margem?

Os mitos sobre a abstinência perseguem-nos desde tempos imemoráveis. Pelo menos no último milénio, a ideia de não praticar sexo apresenta-se como uma proposta surpreendentemente persuasiva.

Alguns filósofos antigos pensavam que o líquido acinzentado do sémen era parte da substância cinzenta do cérebro e, por isso, não se devia desperdiçar indiscriminadamente. Hipócrates tinha uma teoria subtilmente distinta: acreditava que, caso fossem produzidas demasiadas ejaculações, poder-se-ia deteriorar o precioso fluído da espinal medula.

Não obstante, na nossa civilização ocidental, a maior defensora da abstinência foi a Igreja Católica, cujos teólogos proclamaram durante muito tempo que o prazer sexual era pecado, mesmo dentro do casamento.

A abstinência é uma opção pessoal baseada em algum princípio moral, espiritual ou emocional. Caso seja essa a sua opção, não há mais nada a acrescentar: os argumentos dos demais não servem para nada, e tampouco os nossos. A única coisa que pretendemos analisar neste ponto são os efeitos da abstinência na sexualidade e na saúde.

Falaremos sobre três momentos pontuais da vida do homem em que a abstinência não é de todo uma boa ideia e do único em que é recomendável.

PD/FR disse...

santa nossa senhora
com cada animal aqui
a mim parecem os mesmos rebarbados...enfim...panascas e lesbicas desfrutai da fruta e ide ao WC mais perto de V.Excelencias